Trabalhadores dos Correios em estado de greve

0
574

Os trabalhadores da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) estão em campanha salarial e reivindicam a reposição das perdas salariais dos últimos doze meses, além de R$ 300 de aumento real.
A direção da empresa apresentou uma contraproposta de apenas 90% do IPCA, abaixo da inflação e nada mais. A contraproposta patronal foi rejeitada pela unanimidade das assembleias realizadas na semana passada, em nível nacional, quando também foi aprovado o Estado de Greve.
Os Correios registram lucro recorde de R$ 3,7 bilhões, em 2021. Os dividendos deste lucro já foram repassados para a União, mas o governo Bolsonaro não autorizou o pagamento da Participação nos Lucros (PLR) aos trabalhadores. Entretanto, o alto escalão dos Correios aumentou seus próprios salários em mais de 9,90%, em uma reunião extraordinária do Conselho de Administração (CA) da estatal, realizada em maio deste ano, três meses antes da data-base da categoria profissional.

Trem da Alegria
O auto reajuste salarial aprovado alta cúpula dos Correios já é conhecido como novo Trem da Alegria, elevando a Remuneração Global dos Membros Estatutários dos Correios, para o período de junho/2022 a março/2023, ciclo 2022/2023, com reajuste de 9,91%, apesar de voto contrário de um Conselheiros do CA, o qual se manifestou contrariedade à proposta “em virtude da orientação da SEST de que a proposta não deveria contemplar reajuste, bem como da ausência de manifestação do COPES…”

Greve iminente
Essa atitude da diretoria dos Correios está revoltando os trabalhadores, que já sofrem com uma escalada de assédio moral, prejuízos no plano de saúde, implantação irregular do ponto eletrônico e imposição de um banco de horas que gera descontos indevidos na folha de pagamentos, além do aumento da jornada de trabalho incluindo o retorno do trabalho aos sábados, sem nenhuma forma de compensação.
Em resposta, os sindicatos da categoria profissional preparam uma iminente greve nacional por tempo indeterminado.

Heitor Fernandes, dirigente da Federação Nacional dos Trabalhadores dos Correios – FENTECT